Tecnologia

O que não se fala sobre Inteligência nos Negócios.

O que é de fato ter um negócio inteligente? É o mesmo que Business Intelligence? Etimologicamente Inteligência é “fazer escolha” / “ler” ou “saber ler nas entrelinhas”. Em um sentido mais amplo para os negócios, não é o bastante ter informações se não as usamos apropriadamente. Correto?

Logo, inteligência nos negócios é poder interpretar informações e aplicá-las em uma realidade prática e objetiva na estratégia da organização.  E vale observar que uma ação que funciona hoje, pode não fazer sentido amanhã, a pessoa que antes consumia muitas revistas e assistia filmes na TV, hoje baixa ebooks e assina plataformas de streaming.

Negócio inteligente é aquele que promove a mudança.

As pessoas mudam, maneiras de consumir serviços e produtos mudam, e a tecnologia nunca para de evoluir. Dados novos são gerados constantemente, todos os dias, todas as horas e todos os segundos, e a interpretação dessas informações, as “entrelinhas”, se torna um exercício contínuo. Mas o mais importante, a capacidade de transformar informação em ação, o “fazer escolha”, de mudar e se adaptar, é o grande fator que torna seu negócio inteligente.

Já o Business Inteligente (BI), ou Inteligência de Negócio, parte desse princípio. É só se perguntar – qual é a maneira mais inteligente de se fazer negócio? Com informações? Quais informações? Do meu negócio? Do mercado? Da economia? Do concorrente? Como eu reúno e analiso essas informações? – Percebeu?

Há uma quantidade imensurável de dados, e uma quantidade limitada de pessoas, então hoje a melhor forma de se fazer negócio, ou pelo menos negócio inteligente, é com alguma ferramenta que extraia, combine e disponibilize informações pertinentes para as pessoas certas, dentre um turbilhão de dados – no caso, uma plataforma de BI.

Mas nem todo o BI é inteligente

Apesar de ouvirmos muito falar que BI é um software de análise de dados, BI é muito mais do que isso, é um processo que torna a sua empresa inteligente, e como dito, nada mais inteligente do que usar informação para tomar decisões assertivas, ao invés do “achismo”, e é claro, se apropriando dos melhores recursos tecnológicos disponíveis para interpretar essas informações e convertê-las em ações práticas.

Agora se pergunte, usar um software de BI dos anos 2000, nunca atualizado, é uma boa ideia? Na época que esse BI fictício foi lançado, com certeza era novidade e relevante no mercado, mas hoje em dia, com uma variedade enorme de ferramentas de Inteligência de Negócio, todas atualizadas, com novas tecnologias e recursos de ponta, não é inteligente utilizar uma ferramenta de 20 anos atrás. Provavelmente esse software será somente um gerador de relatórios limitado, um Excel turbinado.

Ao mesmo tempo, já parou para pensar que BI pode ser composto por caneta e papel? Tudo depende do contexto. Imagine que em um futuro distante a humanidade foi jogada em uma distopia pós-apocalítico, onde os computadores não existam mais, e somente processos rudimentares de produção sobreviveram. Como você gerencia seu estoque, seus pedidos, seu faturamento e sua margem de lucro? O máximo que dá para fazer é anotar na caneta e no papel, e levando em conta tudo que foi discutido, isso sim é um processo de Inteligência de Negócios, você está baseando as suas ações em dados e fatos com a melhor tecnologia disponível no momento.

“O conceito do Business Intelligence, vindo da área de negócios, nada mais é do que dar o poder de agir e reagir para o executivo tomar as decisões no momento certo, e dá melhor forma possível. Qualquer ferramenta ou método que apoia isso, seja com informática ou sem informática, é Inteligência de Negócios.”
– Allan Pires, CEO da TARGIT Brasil

Como levar inteligência para seu negócio?

Da mesma forma que falamos que uma tecnologia antiga de BI é uma má ideia, nem todo o BI do mercado vai atender as suas necessidades e dores como empresa. Como dito, há uma infinidade de soluções espalhadas por aí, algumas vão ser simples de usar para o usuário final, mas podem dar muito trabalho para o seu TI. Outras podem ser simples, talvez até demais. Umas não ofertarão suporte de qualidade quando você mais precisar, outras poderão ter um Custo Total de Aquisição (CTO) muito alto.

O ponto é – É preciso ter cautela ao escolher uma solução de Business Intelligence adequada – todo o negócio tem suas particularidades que vão se encaixar ou não com ferramenta “X” ou “Y” do mercado, a dica é, liste o que sua empresa realmente precisa para se tornar de fato inteligente e depois faça seu benchmark.

BI de todos, para todos

Talvez um dia o BI como conhecemos deixe de existir, seja por ter transcendido para uma forma ubíqua e intangível, ou por ter ocorrido uma distopia apocalíptica. Em todo o caso, o processo de Business Intelligence nunca morrerá, seja na forma de software ou com caneta e papel, o importante é tomar decisões certas, baseadas em informação, e ser capaz de agir e mudar a partir do contexto que a organização está inserida.

Veja também

As 4 armadilhas ao escolher Business Intelligence – e como evitá-las